Diurna, 2018
Galeria Nara Roesler,
Nova Iorque, EUA
Fotos: Pierce Harrison

lv_18_diurna_01.jpg
lv_18_diurna_02.jpg
lv_18_diurna_03.jpg
lv_18_diurna_04.jpg
lv_18_diurna_05.jpg
lv_18_diurna_08.jpg
lv_18_diurna_09.jpg
lv_18_diurna_12.jpg
lv_18_diurna_10.jpg
lv_18_diurna_11.jpg
lv_18_diurna_13.jpg
lv_18_diurna_14.jpg

Abrir pela primeira vez as janelas da galeria Nara Roesler em NY é a manifestação de um desejo de comunicação direta com a cidade em seu momento de pleno verão e da mais ampla incidência da luz solar. Diurna desloca um conjunto de folhas vindas de um virtual outono do hemisfério sul, como num movimento migratório, para a celebração da nova estação no hemisfério norte. Espalhadas no espaço, fundidas em latão, banhadas a ouro, elas pontuam a arquitetura do lugar como se tivessem entrado pelas janelas recém-abertas. As folhas avulsas estão fincadas diretamente nas paredes por finíssimos alfinetes, como se fossem relíquias de um futuro em que se deixasse de notar as excentricidades singulares da nossa Terra. A luz externa, abrigada no espaço da galeria, variando de intensidade e tonalidade, instaura no ambiente uma coloração solar.
Diurna convida o espectador a sentir-se parte integrante desse pulsar, abrangendo nesse contínuo a presença de seu corpo.
Espalhados entre as folhas, pequenos objetos de medição e de orientação nos indagam sobre o lugar que ocupamos em meio às transformações contínuas e às incertezas.